: Escrevo não porque sei, mas por gosto e impulso... E assim escrevo errado mesmo...

(E o conteúdo deste blog que não consta fonte, é de minha autoria...)

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Festa do Dia das Mães nas escolas?


Acompanhando algumas publicações sobre a polêmica da “Festa do Dia das Mães nas escolas”, que muitos alegam ser frustrante para algumas crianças que não pertencem a uma chamada "Família Tradicional", que deveria ser substituído por Dia da Família e tal, estava discordando um pouco da ideia: todos os humanos necessitaram de um óvulo para ser gerado, só tem óvulo mulher, logo pode se dizer que todos ao menos tiveram uma mãe biológica mesmo que não tenham mais... (É preciso lembrar também do espermatozoide e dos que com o título de “doadores” abstém-se de serem mãe ou pai)
Se mudar para Dia da Família as "diferenças de composição familiar" também poderão ser pauta nesse dia do mesmo jeito que está sendo agora.

Eis que leio, as palavras de Ana Maria, professora, sobre o assunto:
"Meu papel eu fiz: quando uns receberam o convite e começaram a chorar, uns porque a mãe morreu, outros porque quem cria é a avô ou o pai, eu parei a minha aula e disse que mãe é quem dá carinho, quem respeita; que tem “pai mãe”, “mãe pai”, “avó mãe” e tal e tal, e que eu era mãe deles, pois estava todos os dias dando carinho, puxões de orelha pra estudar. Quando saí da sala uns 04 vieram me abraçar... "
Concordo com Ana. A lista dos "tipos de Mãe's" é quase infinita; mãe é quem dá carinho, quem respeita...
Independente do sexo, do parentesco, ou outra condição, mãe é quem cria, quem educa... E isso deve ser reconhecido e valorizado!
Ah! Mas então um homem que cria pode participar da festa do dia das mães? Pode sim! Do mesmo jeito que uma mulher, uma mãe solteira por exemplo, pode participar da festa do dia dos pais... E assim tanto o dia das mães quanto dos pais seriam o que de fato querem que exista e que já deveria existir/ser: Dias das Famílias, sem ter que para isso, desprezar as pessoas de pai e mãe que são apenas tipos integrantes das famílias, por vezes dispensável ao convívio mas com importância suficiente nem que seja para gerar a polêmica aqui levantada!

No mundo atual, superação e resiliência são as palavras e os sentimentos da vez. O que se tem deve ser mais valorizado do que o que falta! O bem, deve tomar o lugar do oposto!

Com ou sem Mãe’s e/ou Pai’s, Família's, seja de qualquer formação é lugar de amor incondicional!
É o que livremente penso, e muitos livremente discordam!
Obrigada, Ana!. Por me ajudar a elucidar minha ideia.

@

*Imagens: Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Hum! Vai comentar! Agradecida!