: Escrevo não porque sei, mas por gosto e impulso... E assim escrevo errado mesmo...

(E o conteúdo deste blog que não consta fonte, é de minha autoria...)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Os incomodados que não se incomodam

Esses dias em minhas observações e análises sobre comportamentos dos outros (e meus também) deparei-me com o “incomodar-se com os outros”.
Mas não apenas com o fato de “tentar agradar os outros ou coisa parecida”, mas também com a ideia do “não me incomodo com você” ou “vai se danar” ou ainda essas duas últimas ideias juntas. 
O que é dar atenção sim, e quem sabe até muita, mais do que a si mesmo.

Um quase bordão diz: "Sou a alegria de quem me ama, a tristeza de quem me odeia, a ocupação de quem me inveja.”...

Questiono: 
- Como eu quero ser tristeza para alguém mesmo que essa pessoa tenha por mim um sentimento ruim? 
- Para que também quero ocupar alguém que quer que eu deixe de ser feliz?
- E porque ser algo ruim ou bom, para quem eu digo não representar nada pra mim?

Ainda tem outra máscara que é expor, provar, ao outro sua felicidade como quem deve isso...
Se de fato o outro não me influi devo esquecê-lo, livrar-me do pensamento nele, dele ou direcionado a ele...

Isso é ressentir (sentir novamente) desejando que o outro experimente algo negativo; vingança mesmo.
Falta de perdão... De gratidão e de benção...
Se não perdoa, não sentirá gratidão. E se não for grato não abençoará.

“- Ah, o outro não merece perdão, nem gratidão, muito menos benção!”

E por acaso os outros fizeram o que lhe fizeram sem sua permissão? Certamente não, pois nenhuma relação é vivida por uma única pessoa. E se é unilateral, é por escolha e assim responsabilidade mesmo ingênua de quem assim vive.

Portanto, VOCÊ, tanto precisa quanto merece seu perdão, sua gratidão e sua benção...
É como lavar-se... Nem que seja para se sujar de novo!
Se assim acontece, o mundo, ou quem sabe “o outro”, ou ainda “um terceiro” agirá refletidamente sobre você. “Porque quanto mais gratos, mais razões recebemos para agradecer.” - Angélica Araujo - Textos & Frases

Aprender a não “se incomodar” com os outros, seja positiva ou negativamente, é conquistar a liberdade que acompanha a felicidade autônoma.
Seja feliz por você, e só... 
Com certeza sua felicidade importará a quem é feliz também por você...

Saliento que “incomodar-se” difere de “importar-se”. Incômodo é relacionado ao que é ruim, e importância ao que é bom.

@

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Meu Pai foi para Deus

Como tenho o hábito de focar ou enfatizar as boas coisas da vida, adiei um pouco até que meus sentimentos se abrandassem, para falar publicamente sobre a partida física de meu pai... Ou a partida dele pra Deus... Ou ainda, seu descanso eterno...

Vivi intensamente a sua presença nos últimos meses como conclusão de aproximadamente 01 (um) ano, quando ele começou a modificar hábitos físicos e alimentares que o foram debilitando lentamente, mas a olhos vistos...
A última parte da vida dele me fez mudar a minha e tentei passar por mais um nível de aprendizado vital...

Vou apropriar-me mais uma vez do que Lidiane Franqui diz “sobre esse "estado de consciência" de viver exatamente o momento presente por mais tolo que ele possa parecer. É simplesmente "prestar atenção" ao que acontece à nossa volta e não ficar submerso em pensamentos diversos que nos levam a todo lugar” e dizer que vivi exatamente assim, com meu pai, esses últimos 02 (dois) meses. Creio que sem tirar nem por eu fiz o que deveria fazer! Faria tudo igual! Valeu muito à pena! 

Ficando o cuidado em um nível mais delicado, procurei ajuda profissional e fui agraciada divinamente com um grupo de pessoas de boa alma chamado Assistência Home Care, de Feira de Santana, que nos enviou os anjos em forma humana Do CarmoGirleneMercia e Joelma, sendo esta última a escolhida por Deus para alguns momentos mais marcantes e para a despedida de meu pai. Que momento nós vivenciamos! Que emoção nós sentimos enquanto orávamos e cantávamos o popular Hino a Santo Antonio!

Expresso GRATIDÃO:
Ao meu chefe imediato, Jarbas (Secretário Municipal de Saúde de Pé de Serra) pelo apoio amigo e institucional; a Dra. Juliana Carvalho pelas visitas e internamento domiciliares via Unidade de Saúde da Família Antonio Pereira Adorno; 
Aos Drs. Jefferson Pires e Joilson Martins pela assistência médico hospitalar humanizada e companheira, bem como a toda equipe de enfermagem do Hospital Municipal Isadora Alencar pela acolhida carinhosa que eu, minha família e meu pai recebemos de todos; 
E ainda aos demais colegas da Secretaria Municipal de Saúde de Pé de Serra pela compreensão e apoio;
Também não consegui, e tento agora, agradecer as muitas palavras de apoio, carinho e sabedoria de amigos meus e de meus irmãos em comentários na Nota de Falecimento que publiquei no meu perfil de Facebook.

Adepta e defensora da chamada Lei do Retorno, agradeço a todos e afirmo que a recompensa de cada um de vocês virá na hora certa e a contento. 
Concluo com a prece:
- Deus abençoe a todos.

@
Meu Meninão - Das últimas fotos de Meu Pai
 (06.05.2016 - Por Magnólia)


Uma outra recordação marcante
Meu Pai batendo sino de procissão aos 80 anos de idade
06.08.2014, Festa de Bom Jesus

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

O que volta nem sempre é o que vai (Lei do Retorno)

Muita gente já escreveu sobre esse tema; e como também sou gente, vou também dissertar a respeito;
Mas sem perder o costume, vou misturar umas coisinhas;
Diz-se que tudo que vai volta... Mas tudo que vem nem sempre é retorno do que foi, mas é do que de fato foi buscado ou apenas deixado que viesse.

Vou explicar:
Quando você ignora algo, mas é certo de que sabe, chega uma hora em que você é provado de não saber com consequências por vezes danosas e até irreparáveis. O convencimento falso de se saber e o não buscar informações ocasionam prejuízos financeiros, sofrimentos e até vergonha, provando que “nem sempre quem pensa que sabe, sabe,” e que “quem não se comunica se complica.”...
Nesse caso o que vem é retorno do que não foi, ou do você que não pensou que fosse, mas que consciente ou não foi buscado...

Até quando você escolhe nada fazer, também é uma escolha que terá consequências...

Nem toda falha é negligência, mas toda ação tem sua reação e tudo pode nos ensinar. Vale dizer que você não precisa, nem terá tempo para, cometer todos os erros necessários à sua aprendizagem, e é muito inteligente quem observa e analisa os erros alheios com o intuito de não praticá-los... Por exemplo: invés de alegar que “quem herda não furta” ao justificar um mau hábito seu aprendido dos seus pais, faça diferente deles! É perfeitamente humano e possível!
Pois quando um erro é cometido, as consequências dele são inevitáveis.
E lamentar-se, passar a responsabilidade dos fatos e efeitos para outrem é também uma abertura para mais retorno indesejável! 

No entanto, quando se desconfia de seu próprio saber (ou assume-se ignorante), busca o conhecimento, procura e aproveita oportunidades, vem o retorno do que foi buscado e muitas vezes sem ter sido almejado conscientemente. Sim, surpresas acontecem quando estamos abertos a recebê-las!

Concluo com uma frase que muito ouvi de um formador e que resgatada por ele mesmo há alguns dias, tornou-se parte da inspiração para o que escrevi nesse texto: 
“O encontro da preparação com a oportunidade gera o rebento que chamamos sorte.” Anthony Robbins

Saliento que existem outros encontros e rebentos opostos aos que Robbins cita... E as escolhas são sempre suas (ou minhas... - risos)

J